terça-feira, 29 de setembro de 2015

NECESSIDADE DE ACEITAÇÃO

A vida em família é problemática e recompensadora ao mesmo tempo. A chave é como aceitar um ao outro incondicionalmente, e isso requer uma paciência heroica, enorme sacrifício e um genuíno amor mútuo. E nisso reside uma quantidade extraordinária de bênçãos.

Viver juntos numa comunidade familiar significa mistura de personalidades e características, não importando se você tem apenas um filho ou uma dúzia. O amor mútuo é caloroso, genuíno e um amor efetivo que atravessa cada coração e prova a si mesmo através das obras. A toda hora somos chamados como família a suportar tudo com amor genuíno e é nosso amor que nos dá paciência e força no sofrimento.

Isso não significa que tudo na vida familiar é harmonioso. Temos nossas lutas e as vezes implicamos abertamente um com o outro. Isso é esperado. Entretanto, mesmo que ocasionalmente incomodamos um ao outro a expectativa é que também aceitemos um ao outro. Sabemos que o outro é um ser humano valioso, filho de Deus, que merece amor e respeito, com o Espírito Santo habitando em sua alma. Nós permitimos que eles sejam quem são e ajam de acordo com a vontade de Deus para eles. 

Nós também temos em conta todas as fraquezas e imperfeições causadas pelo pecado original. Nós damos a eles restrições quando cometem erros, créditos por seus dons e realizações e espaço para serem diferentes de nós mesmos sem julgamento ou crítica. Isso é aceitação.

Todos nós precisamos nos sentir aceitos e muitas vezes os jovens fazem de tudo para se sentirem aceitos por um grupo. A aceitação dentro do próprio lar é fundamental para evitar que precisem buscar aceitação fora a qualquer custo. Isso vale também para os cônjuges: se um não se sente aceito pelo outro como realmente é, com suas qualidades e limitações, pode se sentir tentado a buscar essa aceitação fora de casa.

Aceitar o outro como ele é não significa concordar com seus erros, especialmente se levam ao pecado. Uma advertência caridosa, dada com amor genuíno e paciência sacrifical pode afastar os corações do pecado e movê-los na direção de Deus. Discutir coisas desagradáveis pode ser realmente desagradável, mas deve ser feita pelo bem da santidade e harmonia da família. É necessário que os membros envolvidos discutam, porém sem reclamações ou ameaças.

Uma ideia útil é usar sempre o pronome "eu" nessas discussões. Por exemplo, se o irmão mais novo bagunçou a gaveta do irmão mais velho, esse pode dizer "eu senti que minha privacidade foi invadida por você" ou "eu não gostei do que você fez". Isso evita acusações do tipo "você" ("você bagunça tudo", "você é um chato", etc). Vale também para o relacionamento conjugal, mostrar como você se sentiu com a atitude do cônjuge, ao invés de trocar acusações.

Terminamos com as palavras de Madre Teresa de Calcutá: "Espalhe o amor onde você vá: em primeiro lugar em sua própria casa. Dê amor para seus filhos, para sua esposa ou esposo, para seu vizinho... Não deixe que ninguém se aproxime de você e saia sem se sentir melhor e mais feliz. Seja a expressão viva da bondade de Deus; bondade em seu rosto, bondade em seus olhos, bondade em seu sorriso, bondade em sua calorosa saudação."

Para refletir:
1. Como você expressa as suas opiniões para os outros? Você aceita a opinião deles ou tenta fazê-los calar?
2. Você consegue chamar a atenção do outro de uma maneira caridosa? Se não, por que não consegue?

3. Quais regras você pode estabelecer para a discussão de assuntos difíceis em sua família?

crédito da foto: photopin.com

terça-feira, 15 de setembro de 2015

CRIANDO A ATMOSFERA FAMILIAR

A atmosfera de nosso lar é fundamental para que os esposos e os filhos sintam-se acolhidos em um lugar que eles realmente desejam estar. O mundo oferece muitos prazeres nem sempre saudáveis, por isso temos que lutar para que nosso lar seja um lugar alegre, leve e feliz. Um lugar atraente para o casal e para os filhos. Pe. José Kentenich dizia que a flor da pureza tanto dos filhos como do casal só cresce em um ambiente alegre. 

"Manter uma família alegre requer muito tanto dos pais como dos filhos. Cada membro da família precisa se tornar, de uma maneira especial, o servo para os outros e dividir seus fardos. Cada um deve mostrar preocupação, não apenas por sua própria vida, mas pelas vidas dos outros membros da família: suas necessidades, suas esperanças, seus ideais." (S. João Paulo II).

Várias são as formas de conseguir esta atmosfera familiar saudável. Saudar com afeição cada membro da família quando chegam em casa, tomar cuidado para a hora das refeições não se tornarem momentos de discussões, rezar em família pelo menos uma vez ao dia, cuidar para que a casa esteja limpa e arrumada (mas sem neuroses!!), entre outros.

O mais importante é a atenção pessoal dedicada a cada um. Nada substitui um gesto de carinho, um olhar nos olhos do outro, nem que seja por poucos minutos. Tanto o marido como a esposa deveriam se preocupar em criar este lar um para o outro e também para os filhos todos os dias.

"Com efeito, é dever dos pais criar um ambiente de tal modo animado pelo amor e pela piedade para com Deus e para com os homens que favoreça a completa educação pessoal e social dos filhos. A família é, portanto, a primeira escola das virtudes sociais de que as sociedades têm necessidade. Mas, é sobretudo, na família cristã, ornada da graça e do dever do sacramento do Matrimônio, que devem ser ensinados os filhos desde os primeiros anos, segundo a fé recebida no Batismo a conhecer e a adorar Deus e a amar o próximo; é aí que eles encontram a primeira experiência quer da sã sociedade humana quer da Igreja; é pela família, enfim, que eles são pouco a pouco introduzidos no consórcio civil dos homens e no Povo de Deus. Reconheçam, portanto, os pais a importância da família verdadeiramente cristã na vida e progresso do próprio Povo de Deus" (Papa Paulo VI, Gravissimum Educationis)

Para refletir:
1. Que coisa especial você pode fazer para tornar a atmosfera de seu lar mais agradável?
2. Como você pode saudar um ao outro no fim do dia de uma maneira que inspire felicidade?

3. Como é o contato entre os membros da sua família? Como você pode acrescentar uma dimensão mais humana e pessoal?

terça-feira, 8 de setembro de 2015

EFEITOS COLATERAIS NA SAÚDE PELO USO DA CONTRACEPÇÃO

Muita gente utiliza os métodos contraceptivos sem conhecimento de seus efeitos colaterais. Outros podem até saber de alguns, mas desconhecem a gravidade de outros. Elencaremos aqui alguns desses efeitos, salientando que infelizmente, muitos médicos, acabam por não orientar claramente as mulheres sobre os mesmos, ou minimizando sua importância.

Basta olhar a bula de qualquer pílula anticoncepcional para se estarrecer com os efeitos colaterais que ela pode causar: pressão alta, doenças do coração, coágulos, Acidente Vascular Cerebral (AVC), entre outros. Além disso, em 2007, a Organização Mundial da Saúde classificou a pílula anticoncepcional como estando no grupo 1 de substâncias cancerígenas[1].

E no que diz respeito à saúde emocional, apesar das mulheres que usam a pílula por razões contraceptivas estarem esperando uma melhora em sua vida sexual, pesquisas mostram que a pílula, na verdade, diminui o desejo sexual da mulher e pode causar o ganho de peso e depressão.

No tocante ao DIU (Dispositivo Intra Uterino), os efeitos colaterais podem ser os seguintes: agravar dores menstruais, facilitar o aparecimento de infecções intrauterinas, provocar períodos menstruais com abundância de sangramento, gravidez ectópica (fora do útero)

Já o DIU Mirena, que contém hormônios, pode apresentar os seguintes efeitos colaterais: distúrbios no sistema imunológico (alergias), distúrbios psiquiátricos (depressão), distúrbios do sistema nervoso (dor de cabeça), distúrbios gastrointestinais (dor abdominal/pélvica, náusea), distúrbios cutâneos (acne), distúrbios músculo-esqueléticos (dor nas costas), distúrbios no sistema reprodutivo e mamas (aumento de sangramento, vulvovaginite e corrimento genital)[2]  

A cirurgia de laqueadura de tubas uterinas também não é isenta de efeitos colaterais, tais como: complicações durante a cirurgia, síndrome pós-ligadura de tubas, que está associada a uma falta de fluxo sanguíneo para as tubas uterinas  e que podem provocar uma interrupção nos níveis de progesterona. Os sintomas incluem: menopausa precoce, desequilíbrios hormonais, perda da libido, ganho de peso, fadiga crônica, dor no lado esquerdo ou direito do abdômen, depressão e ansiedade, mudanças de humor e perda de cabelo[3].
A vasectomia pode trazer os seguintes efeitos colaterais: fora o inchaço, infecção e sangramento, a outra problemática está na protuberância do escroto. Além de sangramento, inchaço ou infecção, um homem pode desenvolver tal condição após a cirurgia, formando o granuloma, que causa dor na genitália. Tal problemática evolui em consequência do esperma que vaza ao tecido [4]. Síndrome da Dor pós-Vasectomia, que pode ocorrer entre 5% a 33% dos casos (dependendo da intensidade da dor) e consiste em dor crônica persistente.
Há várias referências médicas mostrando fibrose testicular após a vasectomia. Esta complicação importante, não é caracterizada no processo de consentimento da vasectomia e tem implicações para a função testicular e andropausa precoce em homens vasectomizados. [5]
Os remédios são necessários quando algo do corpo não funciona bem, quando estamos doentes. As cirurgias servem para curar algo que não funciona direito e curar doenças. A fertilidade não é uma doença. Infertilidade é a doença que deve ser curada. A única coisa inteligente a se fazer quando existe uma necessidade honesta de regular a fertilidade é entender o desígnio de Deus para a fertilidade e trabalhar com ele. Isso é o que se refere o Planejamento Natural Familiar.

Como dizem muitos médicos ginecologistas: "Passamos os primeiros 15 anos da vida adulta da mulher prevenindo a gravidez e os outros 15 anos tentando fazer com que ela aconteça." Esse é o paradoxo dos nossos dias.

Os ensinamentos da Igreja contra a contracepção mostram um grande choque entre as forças do bem e do mal, entre a decisão fundamental do ser humano de amar ou não amar, de escolher a vida ou se opor a ela.

Conheço meus projetos sobre vocês - oráculo de Javé: são projetos de felicidade e não de sofrimento, para dar-lhes um futuro e uma esperança. (Jer 29,11)








[1] http://monographs.iarc.fr/ENG/Monographs/vol91/mono91.pdf, acessado em 04.11.14
[2] http://www.medicinanet.com.br/bula/detalhes/3457/reacoes_adversas_mirena.htm, acessado em 09.11.14
[3] http://elmaxilab.com/saude-e-bem-estar-artigo-3-6256.html, acessado em 09.11.14
[4] http://www.conversadehomem.com.br/vasectomia-causa-impotencia-quais-efeitos-colaterais/, acessado em 09.11.14
[5] http://centrodeartigo.com/saude/artigo-3635.html, acessado em 09.11.14

crédito da foto: photopin.com