sexta-feira, 23 de junho de 2017

POR QUE CELEBRAMOS OS SANTOS?


No mês de junho celebramos tradicionais as festas juninas, que tem origem na comemoração das festas de Santo Antônio (dia 13), São João Batista (dia 24) e São Pedro (dia 29). Mas qual é a razão da Igreja Católica fazer memória dos santos?

Jesus, no Sermão da Montanha, nos exorta: “Portanto, sejam perfeitos como é perfeito o Pai de vocês que está no céu.” (Mt 5,48) E São Pedro enfatiza: “Assim como é santo o Deus que os chamou, também vocês tornem-se santos em todo o comportamento, porque a Escritura diz: ‘sejam santos, porque eu sou santo’.” (1 Ped 1,15-16). Desta forma, todos nós somos chamados à santidade, essa é nossa real vocação.

Buscar a santidade significa nos esforçar para viver aqui na terra o ideal para o qual o Pai nos criou, buscando em tudo, realizar a sua vontade, mesmo que isso exija grandes sacrifícios. As exigências de nossa Aliança de Amor nos mantém nesse caminho seguro à santidade: zelosa vida de oração, fiel e fidelíssimo cumprimento do dever, elevar ao máximo as exigências a respeito de si mesmo, tomar a sério os propósitos, contribuições ao Capital de Graças e a própria santificação.

Como Deus de amor, o Pai não nos deixa sozinhos nesse árduo caminho. Ele nos deu Maria, nossa Mãe e Rainha, para nos guiar e educar. E também nos mostra o exemplo de tantos irmãos que tiveram os mesmos defeitos que temos, mas oraram com humildade e com muito esforço conseguiram se livrar deles e hoje gozam das alegrias do Céu e intercedem por nós. Por isso a Igreja, como Mestra e Mãe, faz questão de honrar a memória dessas pessoas, os nossos santos canonizados, para nos dar ânimo nessa caminhada rumo ao Céu.

Os santos são pessoas que responderam generosamente esse convite a colocar Deus no centro de suas vidas e são exemplos para cada um de nós, mostrando que é possível sim trilhar esse caminho. A Igreja Católica é tão rica em exemplos de santidade que temos santos de todos os tipos, de todas as origens, profissões, classes sociais, que se santificaram ainda no ventre materno, como é o caso de São João Batista e de outros, que como Santo Agostinho só se converteram na maturidade e clamava a Jesus: “Tarde te amei...”

Dependendo das dificuldades que superaram ou das graças extraordinárias que receberam aqui na terra, cada santo é conhecido por prestar auxílio em situações específicas. Sua missão não acabou quando partiram aqui da terra, mas continuam a realiza-la no Paraíso. Como disse Santa Teresinha do Menino Jesus: “Passarei meu Céu fazendo o bem!”

Santo Antônio é conhecido como “santo casamenteiro” porque enquanto vivia, na época em que a mulher só conseguia se casar se possuísse algum dote, ajudava a moças humildes a conseguirem esse dote e um enxoval para poderem se casar. Há relatos de várias mulheres que conseguiram se casar por intercessão desse santo.

São João Batista é o padroeiro dos que são injustiçados por causa da fé, haja vista que morreu por anunciar o Reino de Deus e pedir a conversão dos pecadores. São Pedro, o primeiro Papa, é o padroeiro dos pescadores (pois era sua profissão antes de seguir Jesus) e das viúvas e viúvos (porque no Evangelho fala de sua sogra, mas não de sua esposa, o que supõe que ele era viúvo). Além disso, ele é representado com chaves na mão, as “chaves do Reino dos Céus”, que Jesus lhe confiou (Mt 16,19).

É importante ressaltar que podemos e devemos pedir a intercessão dos santos, mas jamais fazer “simpatias” ou seguir superstições. Essas práticas vão contra o Primeiro Mandamento, que é “Amar a Deus sobre todas as coisas”, pois estamos colocando nossa fé e nossa esperança em outra coisa, e não em Deus. Além disso, essas simpatias não passam de pura enganação. Elas agem como uma tentação de “obrigar” o santo a cumprir nossa vontade, nos colocando acima da vontade de Deus para a nossa vida.

O Catecismo da Igreja Católica nos ensina: “A superstição é um desvio do culto que rendemos ao verdadeiro Deus. Ela se mostra particularmente na idolatria, assim como nas diferentes formas de adivinhação e de magia”. Portanto é recomendado que se busque o Sacramento da Confissão, caso tenha caído nessa falta, mesmo que não houvesse consciência plena de que estava fazendo errado.


Assim, vamos aproveitar essa época de festas juninas e intensificar nossa oração aos santos que celebramos, resgatando o verdadeiro significado dessas comemorações. Uma dica é procurar conhecer mais a fundo a vida dos santos, não só os “juninos”, e procurar seguir seus exemplos. Para as crianças, uma boa opção é a cada dia contar a história de um santo na hora de dormir e criar desde cedo o hábito de pedir a intercessão dos nossos amigos do Céu. 

photo credit: irene nobrega <a href="http://www.flickr.com/photos/94708922@N00/1136555435">Decoração São João à noite</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/">(license)</a>

quinta-feira, 8 de junho de 2017

TROCANDO O MEU PELO NOSSO


“O amor deve facilitar-nos a dar pelo outro tudo quanto nos é caro”. Essa frase do Pe. José Kentenich deveria ser lembrada diariamente por todo casal que luta para ter um matrimônio feliz. Nosso compromisso como esposa, como esposo é buscar fazer o outro feliz. O amor nos levou até o altar, onde prometemos ser fiéis a esse compromisso não importa o que a vida nos apresentasse daquele dia em diante.

Todos sabemos que isso não é nada fácil. O maior inimigo da nossa felicidade é a minha felicidade. Sim, o contrário do amor não é o ódio, mas o egoísmo. Toda vez que coloco a minha realização pessoal, a minha vontade, os meus projetos acima do que é o melhor para a nossa família, estou minando a nossa felicidade.

Desde a fundação da nossa família, precisamos lutar dia a dia para trocar o meu pelo nosso. É um processo longo e doloroso, afinal todo mundo nasce egoísta, pensando em si mesmo, no seu prazer, no seu bem estar, na sua sobrevivência. Faz parte do desenvolvimento humano passar de uma mentalidade imatura de criança que quer tudo para si, para o amadurecimento do adulto que sabe que vivemos em comunidade e que precisamos buscar o bem comum.

Assim, não deve existir o meu carro, mas o nosso carro, que será usado para o bem da família. Não existe o meu salário, mas o nosso salário que será usado da forma que melhor sirva as necessidades da família. Também não existe o seu filho (é, na hora que a criança apronta, o filho é seu e não meu), é o nosso filho que precisa ser educado tanto pelo pai como pela mãe.

Os problemas também não são meus, são nossos. As conquistas não são minhas, são nossas. A promoção também é nossa. A doença é nossa também, mesmo que o tratamento seja feito apenas em um, mas os dois sofrem juntos.  A decisão de comprar ou vender é nossa. E aquele parente chato? É nosso.

Mas então quer dizer que precisarei me anular para ter um casamento feliz? Claro que sim!!! Vou procurar anular a cada dia aquela parte de mim que quer satisfazer a si mesmo em primeiro lugar, anular aquelas imperfeições que incomodam tanto meu cônjuge, anular a vontade de fazer tudo do meu jeito, não me preocupando se é o melhor para a nossa família.

Ser pai e ser mãe ajuda muito nesse processo de amadurecimento do amor. Quando o filho chega, um serzinho tão indefeso que precisa da gente para absolutamente tudo, vivenciamos na prática o que significa anular a si mesmo para o bem do outro. E quanto mais filhos, mais rápido crescemos na construção da nossa felicidade.

Sozinho é muito difícil conseguir abrir mão do meu para o bem do nosso, mas as graças que recebemos através do Sacramento do Matrimônio nos ajudarão nessa jornada. Devemos sempre pedir a Deus que aprendamos a amar como ele nos ama: ele deu a sua própria vida para a nossa salvação.


photo credit: Caaru <a href="http://www.flickr.com/photos/34882354@N02/15679677086">Save The Date</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/">(license)</a>

terça-feira, 6 de junho de 2017

O QUE É PRECISO PARA SER ABERTO À VIDA


No último post, falei sobre a minha recente descoberta do que realmente significa ser aberto à vida, que é deixar Deus, em sua amorosa providência, determinar o número de filhos que cada família é chamada a educar. Quem defende essa ideia atualmente é taxado, no mínimo, de louco ou irresponsável, pois vivemos numa cultura totalmente antinatalista. Porém, como essa é a verdadeira doutrina da Igreja Católica e representa realmente o plano de Deus para o matrimônio e a família, vale a pena lutar para assumir essa verdade em nossas vidas.

O primeiro passo é se convencer que Deus efetivamente pede a todo casal que entregue em suas mãos amorosas e providentes sua fertilidade, deixando a seu encargo o número de filhos que deverão trazer ao mundo. Para isso, você pode se aprofundar na leitura da encíclica Humanae Vitae, especialmente o No. 10; a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, No. 50, a atual encíclica Amoris Laetitia, No. 14 e 84, um livro excelente da Kimberly Hahn, “O amor que dá a vida” e alguns posts que já indiquei (veja aqui e aqui).

Depois, é necessário um amadurecimento da nossa fé prática na Divina Providência, ou seja, conseguir efetivamente sentir que Deus é Pai que nos ama infinitamente e não permitirá que tenhamos mais filhos do que possamos criar adequadamente. Confiar, confiar e confiar. E só crescemos na confiança, confiando. Intensificando nossa vida de oração, de meditação do amor de Deus por nós (aqui tem uma orientação de como meditar), frequência aos sacramentos, especialmente da Eucaristia e da Confissão. Ajuda muito ouvir testemunhos de famílias numerosas que colocaram na prática esse ensinamento. Acreditem: elas não são tão raras de encontrar, basta procurar um pouco!

Uma coisa que me chamou a atenção e que parece um pouco contraditória é a seguinte: se somos chamados a confiar totalmente na Providência Divina e deixar somente Deus decidir o número de filhos que devemos ter, qual é a razão da Igreja aceitar o uso dos métodos naturais quando existem graves razões? Deus também não cuida dos casos graves?

Bom, aqui entra a grandeza da Igreja que é Mestra, mas principalmente Mãe. Ela sabe que Deus não exige mais do que cada um possa suportar. E para cada pessoa, pede um grau de heroísmo diferente. Assim, todos são chamados a confiar cegamente na Divina Providência, mas nem todos conseguem isso imediatamente e necessitam de meios para caminhar nessa direção. Logo, quando efetivamente existem razões graves para se adiar uma gravidez, é lícito ao casal recorrer aos períodos infecundos para as relações sexuais e desta forma, buscar, de uma maneira natural e de acordo com a moral sexual, que a gravidez não ocorra.  

Acredito também que os métodos naturais, mais especificamente o Método de Ovulação Billings (MOB), pode se um caminho para se chegar a abertura total à vida. Pode ser que um casal não consiga, de uma hora para outra, parar com os contraceptivos e entregar sua fertilidade nas mãos de Deus. Então, pode começar por usar o MOB ainda adiando uma gravidez, pois, ao menos, não estariam mais colocando nenhuma barreira física ou química em suas relações sexuais. Já estariam se entregando totalmente um ao outro e não estariam violando as promessas que fizeram no altar.  

Com o passar do tempo, refletindo a cada ciclo se realmente possuem graves razões para adiar uma gestação, o casal pode crescer na confiança filial na Divina Providência e chegar à conclusão de que não precisam mais de gráficos e tabelas e que podem celebrar seu amor sem maiores preocupações.


Enfim, é importante ter em mente que ser aberto à vida não significa de que terão muitos filhos. A fertilidade é um dom muito frágil e que varia muito durante a vida. Conheço casais que nunca utilizaram nenhum tipo de contraceptivo e tem somente dois ou três filhos. Outro fator é que as pessoas estão casando mais tarde, por volta dos 30 anos, o que diminui muito a quantidade de filhos que naturalmente podem conceber. Então, não há o que temer! Devemos buscar fazer sempre a vontade de Deus e confiar que Ele fará tudo perfeitamente bem, para a nossa salvação e a salvação de nossos filhos! 

quarta-feira, 10 de maio de 2017

O QUE SIGNIFICA SER ABERTO À VIDA




Quando era jovem, aprendi que a Igreja Católica era contrária aos anticoncepcionais, sendo que o único método permitido é o Método de Ovulação Billings (MOB), um método onde a mulher conhece seu período fértil e se deseja adiar uma gravidez, o casal se abstém de relações sexuais nesse período. Assim, para me preparar para o matrimônio, aprendi esse método, juntamente com o Luciano e começamos a utiliza-lo desde que nos casamos.

Acreditávamos que, por sermos usuários do MOB, estávamos cumprindo o que a Igreja nos pedia, que era sermos abertos à vida e pela graça de Deus, fomos abençoados com quatro filhos. Há alguns anos comecei a pesquisar quais eram os motivos pelos quais a Igreja era contrária aos anticoncepcionais e entendi que a relação sexual possui duas finalidades: a união dos cônjuges e a procriação. Se tirarmos uma dessas finalidades do ato, ele se torna contrário aos desígnios de Deus e por isso, causa danos à pessoa e ao matrimônio. A entrega de um para o outro não é total. É como se um dissesse ao outro: eu te dou tudo, menos a minha fertilidade. Já escrevi alguns posts sobre esse assunto: contracepção e promessas matrimoniaisefeitos colaterais na saúde pelo uso da contracepçãopara que foram criados os contraceptivoscontraceptivos destroem lares

Porém, só foi há cerca de um mês que descobri toda a verdade sobre os ensinamentos da Igreja a respeito do ato conjugal. A forma pela qual Deus escolheu trazer novas pessoas, novas almas imortais ao mundo foi através da relação sexual. Assim, a relação sexual é um ato tão sublime, tão importante, que devemos sempre estar abertos para que Deus possa criar novas almas: os nossos filhos. Não é lícito que nós, como casal, optemos por ter relações apenas nos períodos inférteis, a menos que tenhamos razões graves para fazê-lo. Essa verdade, está expressa na encíclica Humanae Vitae, No. 10.

As razões graves para se adiar uma gravidez dizem respeito às condições físicas, econômicas, psicológicas e sociais. De ordem física seria o caso, por exemplo, de uma nova gravidez trazer riscos graves para a saúde da mãe. De ordem psicológica, no caso, por exemplo, do marido ou da esposa apresentarem algum tipo de distúrbio, como crises de ansiedade, depressão, etc. De ordem social, seria quando o governo obriga a abortar o segundo ou terceiro filho, como é o caso da China.

Para os casos de ordem econômica é preciso ficar bem atento, porque atualmente o filho é visto apenas como um gasto a mais e muita gente acha “justo” ter apenas dois filhos para poder dar a eles “tudo do bom e do melhor”. Motivos graves de ordem econômica seriam apenas aqueles casos onde tanto os pais, como os filhos já nascidos, correm o risco de ficar sem o que é necessário para uma vida digna. Não poder pagar viagens, a melhor escola, as melhores roupas, não é motivo grave.

Confesso que essa descoberta me pegou de surpresa. Eu não havia percebido esse ensinamento dessa forma, sendo que entendia que o MOB era até recomendado pela Igreja, o que não é verdade. Agora sinto a responsabilidade de espalhar essa notícia para todo mundo, que talvez, como nós estávamos, agindo de uma forma errada. Quem quiser se aprofundar um pouco mais nesse assunto, coloco aqui o link de dois posts muito elucidativos:


Assim, o que Deus e a Igreja realmente pedem a nós, casados, é: tenham filhos! Tantos quantos Deus, em sua infinita misericórdia e providência, confiar a vocês! Deus não enviará nenhum filho que não sejamos capazes de educar. O futuro da humanidade está em nossas mãos. São nossos filhos que levarão a nossa cultura, o nosso modo de viver, a nossa fé, para frente. Sem os nossos filhos, o Céu ficará vazio! Nós temos a responsabilidade de povoar o Céu de santos. Deus é muito gentil, não nos força a nada. Ele espera o nosso sim para que possa criar novas almas. Isso é um grande mistério e também uma grande responsabilidade. Nunca ouvi dizer de um casal que tenha se arrependido de ter algum filho, apenas de pessoas que se arrependeram muito de não terem mais filhos!

photo credit: RamónP <a href="http://www.flickr.com/photos/118276383@N05/28882360373">Esperando a Adrián</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/">(license)</a>

segunda-feira, 3 de abril de 2017

A CONFISSÃO E A INTELIGENCIA


O fim da Quaresma se aproxima e com ele a reflexão do quanto conseguimos aproveitar esse tempo de jejum, esmola e oração para uma aproximação maior de Deus, nosso Pai, que nos ama infinitamente e quer passar a eternidade conosco.

É mandamento da Igreja Católica também devemos procurar a confissão sacramental ao menos uma vez no ano, por ocasião da Páscoa. Mas qual a razão de confessarmos? Realmente isso ainda é necessário hoje em dia?

O pecado é uma ofensa a Deus e uma ruptura da comunhão com ele, pois escolhemos seguir nossos desejos muitas vezes desordenados, do que sermos fiéis aos ensinamentos de Deus, que tem apenas um objetivo: a nossa salvação. Assim, ao buscarmos o sacramento da confissão, arrependidos de nossos erros, nos reconciliamos com Deus e com os irmãos, recuperando o estado de graça que recebemos em nosso Batismo.

Toda vez que cometemos um pecado mortal precisamos buscar o quanto antes a confissão. “É pecado mortal todo pecado que tem como objeto uma matéria grave (contra os 10 mandamentos), e que é cometido com plena consciência e deliberadamente” (CIC 1857).

Mas também os pecados veniais, aquelas falhas que cometemos quase que diariamente, por egoísmo e falta de caridade, devem ser confessados. Não porque rompem nossa amizade com Deus, mas porque seu acúmulo, com o tempo, podem levar a um pecado mortal.

E aqui vem a relação que Santo Tomás de Aquino faz entre a confissão e nossa inteligência. Santo Tomás é um dos grandes Doutores da Igreja e é conhecido por sua inteligência apuradíssima e sua capacidade intelectual quase que sobre humana. Ele ensina que quando estamos em estado de graça, enxergamos coisas que não conseguíamos ver antes, nossa inteligência se abre.

Eu sou testemunha dessa enorme graça que recebemos quando nos confessamos regularmente. Desde jovem tinha o costume de confessar uma vez por mês e esse costume se manteve durante os anos, com algumas oscilações dependendo da fase de minha vida.

Porém, há cerca de seis meses, passei a procurar esse sacramento quinzenalmente. Percebi um enorme crescimento em minha vida espiritual, em minha proximidade com Deus e uma grande facilidade em entender as coisas, em dar conselhos, em enxergar por trás dos acontecimentos a Divina Providência e ainda em escrever (que é uma parte importante em meu apostolado). Parece que deu um “click” em minha mente e agora vejo as coisas de outra perspectiva.

Já me perguntaram se o que estou fazendo não seria apenas uma direção espiritual, se efetivamente confesso a cada quinze dias. Vejo aí mais uma graça da confissão frequente: minha consciência ficou mais sensível, mais alerta às minhas imperfeições e consigo ver mais claramente todas as ofensas, mesmo que pequenas, que faço a Deus no meu dia a dia.

Assim, devemos nos confessar não porque é uma obrigação imposta pela Igreja, mas porque na confissão recebemos inúmeras graças para vivermos uma vida mais plena e mais feliz. É Jesus quem está ali no confessionário esperando por você, para derramar sobre você todas essas graças, para curar as feridas do teu coração e capacitar você para amar melhor e viver melhor. E nesse mundo tão atribulado em que vivemos, não há nada mais necessário do que viver com equilíbrio e é justamente isso que a confissão regular nos proporciona. Faça essa experiência!


photo credit: Frank Jakobi <a href="http://www.flickr.com/photos/21187029@N06/20659292951">Waiting for Clients</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/">(license)</a>

segunda-feira, 20 de março de 2017

CASAR PRA QUÊ?

Muitos casais hoje se afastam do sacramento do matrimônio não encontrando nenhuma razão para se casar na Igreja. E muitos outros só casam na Igreja por causa da festa, ou do sonho de entrar na igreja de véu e grinalda. Mas afinal, qual é a importância para um casal receber esse sacramento?

Ninguém casa para ser infeliz, isso é fato mais do que evidente. Mas o que é necessário para sermos felizes? Só existe um caminho para a verdadeira felicidade, aquela que completa o nosso coração e nos deixa extasiados, mesmo se estivermos passando pelas maiores dificuldades e sofrimentos. A única maneira de sermos realmente felizes é se descobrirmos e buscarmos viver o ideal para o qual Deus nos criou. Se não buscarmos cumprir nossa missão, a razão pela qual fomos criados e existirmos, não encontraremos nunca a felicidade. Poderemos até ter muitos prazeres, mas felicidade real não.

Tendo isso em mente, o autor Gregory Popcak afirma que só existe uma única razão para se casar que garante uma vida longa de felicidade e torna o casamento relevante e que se os noivos não tiverem isso em mente, é melhor nem casar mesmo. Mais do que amor e companheirismo, a função real do matrimônio cristão é para marido e mulher se ajudarem mutuamente a se tornarem as pessoas que Deus os criou para serem.

A real dignidade do matrimônio cristão vem da promessa de passar cada dia de suas vidas descobrindo e realizando suas identidades em Cristo. Em outras palavras, o casamento é trilhar o caminho para o Céu com um companheiro.

Através do matrimônio, Deus dá a cada um de nós uma responsabilidade sagrada: preparar seu esposo, sua esposa para passar a eternidade no Céu com Ele. Deus diz a cada pessoa que se casa na Igreja: “Eu estou escolhendo você para ter um papel central na santificação de seu esposo, de sua esposa. Ele ou ela talvez não consiga se santificar sem você. Certifique-se de que seu esposo, sua esposa se santifique com você.”

Essa responsabilidade não deveria ser surpresa para você, porque a santificação é o trabalho principal de qualquer sacramento. Quando você se casa na Igreja, você está reconhecendo que daquele dia até o dia da sua morte, Deus te fez responsável, abaixo apenas do trabalho salvador de Jesus Cristo e do livre arbítrio de seu cônjuge, de ver que seu marido ou sua esposa se torne a pessoa que Deus o(a) criou para ser. E você está reconhecendo que você sinceramente acredita que tem uma chance melhor, com seu cônjuge do que sem ele ou ela, de se tornar tudo o que Deus pretende que você seja.

Porém Deus não nos dá essa grande responsabilidade e nos abandona para nos virarmos sozinhos. Aí é que vem a grande ajuda do sacramento do matrimônio. O sacramento que recebemos no dia do casamento nos dá todas as forças necessárias para cumprirmos essa missão. Esse sacramento tem o poder de santificar o vínculo entre marido e mulher e assim, ajudar a cada um dos cônjuges a se santificar também.

Sempre que estivermos passando por alguma dificuldade no matrimônio devemos recorrer ao sacramento do matrimônio, às graças que recebemos e continuamos receber todos os dias de nossa vida de casados. Na prática, devemos lembrar em nossas orações do sacramento que recebemos, pedindo a Deus que pela força desse sacramento, envie as graças necessárias para superarmos as crises que enfrentamos.

Outra forma de lembrar que temos direito a essas graças, é renovarmos, ao menos por ocasião do aniversário de casamento, as promessas que fizemos diante do altar. Falar novamente ao esposo, à esposa: “Eu te recebo por minha esposa, por meu esposo e te prometo ser fiel, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, amando-te e respeitando-te todos os dias de minha vida.”


Assim, quando alguém perguntar por que casar, você pode responder que o sacramento do matrimônio é a forma pela qual Deus quer dar a você uma pessoa que ficará responsável por toda sua vida a ajuda-lo a ser realmente feliz, a cumprir a sua missão aqui na terra para um dia poder gozar da alegria eterna no Céu. Quer razão melhor??

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

O QUE NOSSOS FILHOS PENSAM E FAZEM?



Essa pergunta deveria sempre inquietar nossos corações, não no sentido de queremos controlar os pensamentos e ações de nossos filhos, mas para avaliarmos se realmente estamos cumprindo nossa tarefa como verdadeiros educadores.

Sabemos que a influência do mundo na vida deles é muito grande, então é imprescindível que nos preocupemos sempre em verificar como ele estão se posicionando frente aos vários desafios do dia a dia, mesmo se ainda são pequenos. Podemos pensar que por conviverem conosco em um lar católico, frequentarem a Igreja, eles “automaticamente” sabem se posicionar sobre o que acreditamos ser certo ou errado, de acordo com nossa fé.

Uma família católica praticante testemunha que foram surpreendidos, um tempo atrás, em uma conversa com o filho de 14 anos em que ele não via qualquer problema em incentivar um relacionamento homossexual entre amigos da sua idade. Depois do choque inicial (que tentaram não demonstrar), começaram a questionar o porquê ele pensava daquela forma e a resposta foi: “Ué, não pode? Mas não é amor? Qual o problema?”

Eles perceberam que o filho genuinamente não entendia a razão dos pais não apoiarem um relacionamento homossexual; não era aquela questão de adolescente querer enfrentar a opinião dos pais. Simplesmente o meio em que ele vive, mesmo em uma escola católica, vê tudo isso com muita normalidade. Então, os pais começaram a explicar o que significava realmente o amor humano, quais são as suas características, o que cada um deve buscar em um relacionamento e o que deve oferecer.

Esse testemunho nos fez começar a checar também os nossos filhos, mesmo os mais novos, algumas outras questões além do homossexualismo, como o papel do homem e da mulher na família, a indissolubilidade do matrimônio, como devemos lidar com os nossos bens e com o dinheiro, qual a importância da fé e da prática da religião em nossas vidas, enfim, tudo aquilo que muitas vezes nos preocupamos em ensinar para as outras famílias em nossas diversas formas de apostolado e que não estávamos nos preocupando muito em verificar dentro de nossa própria casa. 

Claro que não foi tudo de uma vez e também usamos numa linguagem apropriada para a idade deles e esse trabalho está apenas começando! Então nosso alerta aqui fica para todos: saibam o que eles pensam e o que eles fazem. Não se assustem com as respostas, se preparem para contestá-las se for necessário, COM MUITO FUNDAMENTO, não adianta falar que é assim porque a Igreja manda. Hoje temos a nossa disposição uma enormidade de material que explica as razões da fé e dos ideais que professamos, e também devemos procurar o apoio de outras famílias que pensam como nós, para nos apoiarmos e trocarmos experiências.

Uma última questão: sabemos que já erramos muito como pais e ainda erraremos mais. Consagramos nossos filhos a nossa Mãe e Rainha e confiamos que ela fará o que não conseguimos. Mas entre a nossa miséria e o milagre da graça da educação pelas mãos de Maria, podemos fazer muito. Não devemos nos conformar com o que diz o mundo, principalmente no tocante a sexualidade, que a castidade é uma utopia, que usar contraceptivos é normal, mesmo se já forem casados. Não é. Se estão vivendo essa dimensão de sua vida de forma equivocada, CABE A NÓS PAIS mostrar a eles toda a beleza da doutrina da Igreja a esse respeito. E que não é apenas uma questão relacionada a religião, mas ao BEM ESTAR FÍSICO E EMOCIONAL deles. Não tenham medo de mostrar a verdade. Se estiverem inseguros, busquem mais conhecimento, mais argumentos. A felicidade deles e, mais ainda, a salvação de suas almas, depende disso!

domingo, 29 de janeiro de 2017

RECONCILIE-SE COM SUA MORTE!


Esse foi o tema de uma palestra do Pe. Léo que me fez refletir muito (quem quiser assistir, é só clicar aqui). Realmente, a realidade que vamos morrer um dia é a única certeza que temos na vida. Mas como em nosso corpo, existe uma repulsa natural ao que nos causa sofrimento e também, instintivamente lutaremos sempre para permanecermos vivos, não gostamos muito de falar sobre a nossa própria morte.

Além disso, em nosso mundo moderno, a morte ficou mais distante do que era há algumas décadas. Antigamente, as mães tinham muitos filhos e era comum que alguns deles morressem ainda bebês ou crianças. Tanto os pais, como os outros irmãos, sofriam muito, mas viam esse processo como sendo natural (o que realmente é). E ainda, os velórios eram feitos em casa, assim, as crianças também participavam desse momento de dor e despedida, vendo que a morte, faz parte da vida de todo mundo.

Hoje, com a cultura do prazer, onde devemos evitar qualquer sofrimento a todo custo, falar de morte é um absurdo, um assunto que ninguém quer tocar. E isso não faz bem, porque precisamos ter a consciência de que esta vida é passageira e uma hora vai acabar e teremos que prestar contas do que fizemos com ela, para ver com quem passaremos a eternidade.

Não estou sugerindo que precisamos viver num ambiente macabro onde tudo lembra a morte, mas como o Pe. Leo ensinou, precisamos nos reconciliar com a nossa própria morte, pois é ela quem vai nos levar ao encontro de nosso Criador. O ideal é todas as noites antes de dormirmos, fazermos uma pequena reflexão, um exame de consciência, para ver como vivemos aquele dia. Pedir perdão se fizemos algo de errado e ter o firme propósito de ser melhor no dia seguinte. Isso é uma preparação para a morte, que se chegar durante o sono, não nos pegará de surpresa e estaremos prontos para prestarmos conta de nossa vida a Deus.

A expressão “carpe diem” (aproveite o dia) ficou famosa naquele filme “A Sociedade dos Poetas Mortos”. Só que lá, não conta que a origem dessa expressão era dos monges antigos, que ao se encontrarem, um falava “memento moris” (vais morrer) e o outro respondia “carpe diem”. Ou seja, aproveite o dia, viva-o da melhor forma possível amando a Deus e ao próximo, fazendo o bem, porque você vai morrer, e pode ser hoje!

Outra coisa que me ensinou a ver a morte como realmente é, um fato inevitável e natural e que acontecerá com todo mundo, foi a experiência de enterrar uma filha. Quando soube do problema da Júlia (história completa aqui), parecia que era a única mãe no mundo a passar por isso. Depois, no tempo em que ela ficou na UTI, vi que não era a única, que havia muitas mães passando pelo mesmo sofrimento. E que eu não fui a primeira e nem seria a última.

Todo mundo fala que um pai enterrar um filho é “antinatural”, que é “contra a ordem das coisas”, mas na verdade, se pensarmos bem, é claro que é um sofrimento horroroso e que estamos mais “preparados” para enterrarmos nossos pais do que nossos filhos, mas faz parte da vida. Cada um de nós tem um tempo determinado em que vamos viver aqui na terra: alguns podem ser poucos dias e morrerem ainda no ventre de suas mães e outros podem viver mais de um século. O Pr. Claudio Duarte comenta que cada um tem uma senha, e quando chega a hora, quando Deus chama seu número, não tem o que fazer, você vai morrer. Ninguém sabe quanto tempo tem (ainda bem!), então se a morte chegar muito cedo, é triste para quem fica, mas acontece, é natural, todo mundo morre um dia. E acontece com muita gente.

Alguns tem a graça de terem algum tempo para se preparar para a sua morte, pois ela vem através de uma doença que leva um tempo para chegar ao fim. Mas não sabemos se este será o nosso destino, então precisamos aprender a dizer como São Paulo: “Pois para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro!” (Fl 1,21)

Enfim, a Divina Providência está sempre tentando nos lembrar dessa realidade, de que um dia iremos morrer, seja através de uma tragédia, como a queda de um avião, um acidente, uma doença, a morte de alguém próximo. Não para ficarmos com medo, mas para estarmos o mais preparados possível para quando chegar a nossa hora. É Deus Pai nos dizendo: “Meu filho, minha filha, não se apegue muito às coisas desse mundo, você está aí só de passagem, seu lugar é aqui comigo, na glória do Céu!”

photo credit: elviskennedy <a href="http://www.flickr.com/photos/39734516@N00/5771788449">Memorial Day - Galen Kittleson</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/">(license)</a>


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

AFINAL, O QUE AS MULHERES FAZEM MELHOR QUE OS HOMENS?




Um amigo meu fez essa pergunta no Facebook e gerou a maior polêmica, havendo todo tipo de resposta, variando desde “tudo” até “nada”. E evidenciou para mim uma triste realidade: grande parte das pessoas encara a questão do ser homem e ser mulher como uma competição, para mostrar qual dos sexos é melhor que o outro.

Essa luta entre homens e mulheres, para mostrar quem é “melhor”, começou nas últimas décadas, com o avanço do feminismo que, para tentar valorizar a mulher, acabou querendo igualar ao ser do homem, querendo fazer tudo o que o homem fazia, do jeito que o homem fazia. Essa atitude, em alguns aspectos, pode ter até “forçado” os homens a aceitarem que as mulheres poderiam fazer as mesmas coisas, porém, causou uma grande confusão no relacionamento entre os sexos.

Antes dessa revolução, cada um tinha o seu “reino”: a mulher era a rainha do lar, do cuidado com a casa e com os filhos, responsável por criar o ambiente de família. Já o homem era o rei do mundo exterior, do trabalho fora de casa, das conquistas materiais, responsável por prover o sustento material da família.

O grande problema foi que os homens, pelo fato de terem nas mãos o poder econômico, muitas vezes abusavam dele e se sentiam “donos” de suas esposas, não valorizando adequadamente o papel que elas tinham na dinâmica familiar. Algumas mulheres, na tentativa de provarem que tinham valor, começaram a querer mostrar que podiam também ser como os homens.

Aí que foi o grande erro: ao invés de provarem que a mulher deveria ser valorizada por aquilo que é, ou seja, um ser feminino, com características femininas e modo de fazer as coisas feminino, passaram a desvalorizar tudo o que era próprio do feminino, criando uma competição insana para ver quem era o melhor “homem”.

E agora, nós estamos nessa triste situação de que a mulher não sabe o que significa ser mulher e o homem não sabe o que significa ser homem, a família está desmoronando, a sensação de insegurança é gigantesca, os níveis de depressão são altíssimos e vivemos numa sociedade doente.

Para modificar isso, as mulheres precisam reconquistar o lugar que abandonaram e os valores femininos que elas mesmas desprezam. A mulher precisa se orgulhar de ser mulher, de saber que ela é a pessoa mais qualificada para cuidar e educar seus próprios filhos e de que seu valor não está em conquistar o mundo, mas em construir um lar saudável e acolhedor. E de que ter um homem que a sustente e a proteja é uma imensa prova de amor e não uma opressão.

E o homem, precisa assumir seu papel de provedor e de cuidador, de apoio. Não ter medo de agir como homem, sabendo que a mulher é sua colaboradora, porém não da parte material, mas é responsável pelo cuidado com maior tesouro que vocês possuem, os seus filhos.

É claro que a mulher pode trabalhar fora, principalmente se não tiver filhos pequenos. O problema não está no trabalho em si, mas na supervalorização do que é externo ao lar, em detrimento do trabalho dentro de casa. Porém, é necessário um cuidado para que é próprio do feminino seja valorizado também no ambiente de trabalho. Qualidades como a capacidade de criar um ambiente acolhedor, saber ouvir a opinião do outro, cuidar do mais fraco e debilitado, preocupar-se com os detalhes, devem ser cultivadas. Se a própria mulher não valoriza o que é feminino, ninguém mais vai valorizar. 


A mulher não faz nada melhor que o homem. O homem não faz nada melhor que a mulher. Cada um faz as coisas de maneira diferente, nem melhor, nem pior. Cada um tem suas características próprias, seu jeito de ser e fomos feitos para nos complementarmos, e não para competirmos!

photo credit: emden09 <a href="http://www.flickr.com/photos/93144534@N03/28780554393">Dom Aachen</a> via <a href="http://photopin.com">photopin</a> <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/">(license)</a>