segunda-feira, 6 de outubro de 2014

EDUCAÇÃO PARA A FÉ

Os pais são os primeiros responsáveis por plantar a semente da fé no coração de seus filhos. O primeiro apostolado dos pais deve ser a evangelização de seus próprios filhos, tarefa esta recebida pela graça do sacramento do matrimônio.[1] Isto se dá através do ambiente criado do lar, do exemplo dos próprios pais, do qual os filhos desde pequenos aprendem a importância da fé para a sua vida e despertam o amor a Deus sobre todas as coisas e o amor ao próximo como consequência deste amor a Deus.
“A educação para a fé por parte dos pais deve começar desde a mais tenra infância. Ocorre já quando os membros da família se ajudam a crescer na fé pelo testemunho de uma vida cristã de acordo com o Evangelho. A catequese familiar procede, acompanha e enriquece as outras formas de ensinamento da fé. Os pais tem a missão de ensinar os filhos a orar e a descobrir sua vocação de filhos de Deus. A paróquia é a comunidade eucarística e o centro da vida litúrgica das famílias cristãs; ela é um lugar privilegiado da catequese dos filhos e dos pais.”[2]
Infelizmente o mundo atual está muito dessacralizado, sem qualquer referência a Deus, o ambiente frequentado pelos filhos é muitas vezes hostil à própria fé, tudo gira em torno do ter e do prazer, o que torna o papel da família fundamental no sentido de despertar e manter a fé no coração dos filhos.
Até mesmo a escola, que em outros tempos foi de grande auxílio para as famílias para a educação dos valores cristãos, atualmente se limita a transmitir conhecimento científico e muitas vezes sob a justificativa de ser “laica” incute na cabeça das crianças e dos jovens ideias sobre a vida que não levam em conta a realidade de que são filhos de Deus e como tal tem direitos e deveres que devem ser cumpridos e respeitados pela sociedade.
A espiritualidade familiar é distinta da espiritualidade de um convento ou comunidade religiosa em sua forma, mas a essência, o espírito deve ser o mesmo.  Tudo deveria girar em torno da Santíssima Trindade, contudo sem negligenciar os compromissos diários pelo sustento e cuidado com a família.
Para que isto seja possível, são necessários alguns cuidados no dia-a-dia, como a oração em família, a frequência aos sacramentos, em especial à eucaristia dominical, oração nas refeições, a vivência dos tempos litúrgicos (quaresma e advento), celebração dos dias santos, possuir no lar um “cantinho” de oração, nos momentos de dificuldades e de alegria louvar sempre o Senhor, enfim, efetivamente viver a fé que se professa em casa.
Um costume muito útil para cultivar este espírito de religiosidade no lar é a benção dos filhos, que pode ser dada diariamente antes de dormir ou em um outro horário mais adequado, dependendo da idade e dos compromissos dos filhos. 
Sugere-se uma benção bíblica, que está no Livro dos Números 6, 24-26: “O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a Sua face e se compadeça de ti! O Senhor volte para ti o Seu rosto e te dê a paz!”
Assim, os lares deverão se tornar realmente pequenas igrejas domésticas, “oasis da fé”, onde os filhos poderão nutrir-se para conseguirem enfrentar os grandes desafios da sociedade moderna.




[1] CIC 2225                          
[2] CIC 2226

Nenhum comentário:

Postar um comentário